Um dia após o outro...

Tenho um filho de 8 anos que foi diagnosticado pelo neuropediatra há cerca de um ano e meio com TDAH e TDO. Desde pequeninho percebia o jeito diferente dele, batia, não respeitava os mais velhos. Aos quatro anos de idade começaram as reclamações na escola, ele não queria ficar lá, rasgava as tarefas, chutava as professoras, não deixava os coleguinhas em paz. Todos me diziam que a culpa era minha "mãe solteira e jovem que não ensinava boas maneiras ao filho". Não me lembro a quantidade de vezes que entrei na escola do meu filho de cabeça baixa de tanta vergonha. Todos me apontavam, falavam de mim e de minha família, até o dia em que "gentilmente" a diretora pediu para que procurasse uma outra escola. Mudei e depois mudei novamente. Passamos por 2 psicólogas, fizemos dezenas de técnicas, quadros, recompensas, castigos... nada parece adiantar. Quando a psicóloga nos encaminhou para um neuro, foi feito o diagnóstico. Iniciamos o tratamento com ritalina que foi um desastre, pois aumentou a agressividade e, agora estamos com risperidona e fluoxetina. A agressividade melhorou, só um pouco, ano passado ainda bateu na professora. Como não vi mudanças com a terapia cognito-comportamental, estamos agora com a psicanálise, entretanto, a psicóloga não aceita bem o diagnóstico. Estou desesperada a procura de qualquer coisa que dê certo.... Vivo um dia após o outro. Não sei como meu filho irá acordar. Não sei qual reclamação ouvirei na escola, se ele foi expulso da sala, se ficou sem recreio, se perdeu na prova ou se rasgou o livro. Amo muito meu filho, mas é difícil, é muito difícil, e sei que ele também sofre. Ele diz que os coleguinhas não gostam dele. Infelizmente não vejo muitos profissionais preparados para nos ajudar, especialmente em cidades do interior. Mesmo com o auxílio do neuro, da psicóloga, da família, sinto o peso do mundo em minhas costas. Apenas vivo, um dia após o outro...

paisagem