Esperança de dias melhores!

Apesar de já conhecer esse site nunca relatei aqui minha história a qual tenho vivido com meu filho Diego em todos esses anos. Filho único, muito querido e desejado, criança calma e tranquila até  os 4 anos de idade, onde começaram a aparecer os primeiros sintomas: agressividade, impulsividade, e a oposição regras e ordens. Eu era sempre chamada na escolinha em que ele estudava por indisciplina, apontada e até mesmo parada na rua por outros pais que faziam queixa do meu filho. Fui orientada pela escola a leva-lo ao psicólogo, porém por falta de experiência e informação, não dava continuidade ao tratamento, ouvia muitas pessoas dizendo que era apenas uma fase, coisa de criança mesmo. Só que essa fase não passou e  piorou com o passar do tempo e aos seis anos de idade, após troca-lo de escola e da separação com o pai dele, tudo foi piorando. Estava inviável para ele frequentar qualquer evento familiar ou o colégio. Foi quando procurei um neurologista que receitou a ele Risperidona. A partir daí tudo mudou: a criança agressiva e impulsiva passou a ficar calma, educada, bem humorada e a reconquistar os amiguinhos os quais haviam se afastado por medo.


Aos nove anos fazendo uso de uma dosagem maior do remédio, o mesmo estava perdendo a eficiência e não ajudava a conter seus impulsos e observei também o aparecimento de tiques que eram efeitos colaterais do remédio. Informei ao neurologista que decidiu diminuir a dosagem até não tomar mais e disse pra que eu procurar um psiquiatra. Assustada, me recusei por um tempo e procurei outro neurologista que me disse a mesma coisa e indicou um centro de tratamento que pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde uma psiquiatra disse ele ter Transtornos de Personalidade evitadores e o encaminhou para psicoterapia individual na mesma instituição, mas não tinha vaga. 


 

Hoje aos 11 anos ele faz a psicoterapia individual onde fui informada do por ela desse Transtorno chamado TDO Mas só a terapia não surtiu muito efeito e me indicaram uma ótima psiquiatra  que receitou dois remédios: um chamado Venvanse e outro para ser tomado de noite chamado Reconter, esse último faz apenas três dias que começou a usar e o primeiro foi dado hoje a primeira dose.

 

Tenho esperança no efeito positivo desses remédios para melhorar nossa vida. Espero poder ajudar através desse depoimento alguém que passe pela mesma situação e precisa, assim como eu, de uma orientação.


paisagem