Olá, vim compartilhar com vocês um pouco da história de luta que tenho passado com meu filho. Ele foi diagnosticado com TDAH aos 5 anos de idade, iniciou o acompanhamento psicológico e de medicamentos. Quando ele estava com 10 anos além do comportamento hiperativo, a ansiedade estava muito forte, ele chegava a comer as unhas até ferir os dedos, além de outros comportamentos destrutivos. À convivência na escola ficou insuportável, ele não controlava os impulsos e acabou afastando todos os amigos, gerando uma autoestima baixa terrível. Nessa época a proprietária do Reforço escolar o expulsou, ela me disse que rasgava o diploma de Psicologa se ele não tivesse esquizofrênia. Minha providência no outro dia foi buscar a psiquiatra mais renomada da minha cidade  com experiência em Autismo e doenças psiquiátricas , que após o psicodiagnóstico, me assegurou que ele tem TDAH e ponto. Ela me explicou sobre as possíveis comorbidades e tudo que poderia ser feito para ajudá-lo. Essa fase de pré-adolescência, hormônios, é muito difícil para todos e acredito que para o meu filhote é ainda pior. Hoje as características do TDO estão bem explícitas, ele desafia até o Papa caso seja contrariado, não aceita o NÃO, se machuca, machuca nossa cachorra, mente deliberadamente. E como não consegue ter nada porque quebra tudo, como telefones, TVs, tudo, ele mexe nas coisas de todos sem nenhum respeito, repetidamente e ainda quebra. Estava frequentando a escola, mas há há 2 semanas foi expulso após esmurrar um colega e também porque foi pego mexendo na mochila de outra criança. Os furtos em casa estão sendo constantes. Mas o pior são as crises de inferioridade, quando se frusta logo começa a dizer que não presta, que quer morrer, se bate, é desesperador. Ontem à noite ele acordou na madrugada e foi pegar dinheiro na minha bolsa, minha providência foi tirar o vídeo game, mas aí a surpresa: ele ficou tão nervoso que me agrediu com tapas e murros. Estou muito assustada, iniciei a terapia comportamental para me ajudar a lidar com tudo  isso. Sou sozinha com ele e outra filha mais velha (16 anos). Hoje ele tem 12 anos, esta tomando Concerta de 54mg, Aristab e Paroxetina, faz acompanhamento com psicólogo, tentei o Kumon, natação, mas ele desistiu. Estão tão cansada, é tão ruim ver o sofrimento dele, eu queria fazer mais ... O que está me sustentando é a Fé.

 

paisagem